interna

Estudo que avalia limpeza das cidades ganha destaque na mídia

Recentemente, falamos aqui sobre a segunda edição do Índice de Sustentabilidade da Limpeza Urbana (ISLU). O estudo, que tem como objetivo suprir a falta de informações sobre a coleta de resíduos nas cidades brasileiras e mapear o cumprimento das recomendações da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), foi repercutido pela grande imprensa nos últimos dias. Com isso, nossa causa ganha uma projeção ainda maior. Iniciativas como essa são extremamente favoráveis para um diagnóstico real de como está a gestão de resíduos sólidos em nosso País.

Há uns dias, a Globonews veiculou uma reportagem sobre o estudo. A segunda edição do ISLU, realizado pelo Sindicato das Empresas de Limpeza Urbana no Estado de São Paulo (SELUR) e pela PwC, avaliou mais de três mil municípios em relação ao cumprimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).

O veículo sinalizou que os resultados variaram bastante: de um lado, temos as lideranças, como Maringá (PR), em 1º lugar geral na relação de cidades com mais de 250 mil habitantes, seguida por Niterói (RJ) e Santos (SP), respectivamente. Na contramão, a região Norte ocupa as últimas posições, com pontuações inferiores. Além disso, dois pontos têm sido observados pela imprensa de um modo geral: primeiro, a região Sul concentra cerca de 70% dos municípios mais bem pontuados; segundo, as 12 primeiras colocadas são adeptas de modelos de arrecadação específica para a limpeza urbana.

A emissora ponderou que municípios com mecanismos dirigidos à sustentabilidade financeira evoluíram. Esses tiveram pontuações melhores em todos os indicadores do índice. Inversamente, aqueles que não o fizeram ficaram estagnados ou retrocederam na comparação com a 1ª edição do ISLU.

A coluna de Mara Gama, publicada às sextas-feiras na Folha de S. Paulo, repercute os mesmos dados do levantamento e ainda conta com informações obtidas em primeira mão, em uma entrevista exclusiva com porta-vozes do SELUR e PwC. O texto destaca a liderança da cidade paranaense na relação de municípios com mais de 250 mil habitantes, bem como a prevalência de municípios da região Sul nas mais bem pontuadas. Em contrapartida, capitais do Norte, como Belém (PA), Manaus (AM), Rio Branco (AC) e Porto Velho (RR), ocupam as 20 piores posições. A jornalista explica as quatro dimensões de análise e salienta que o ISLU foi criado em 2016 com foco em alinhamento das cidades com a PNRS.

Em entrevista ao principal jornal do País, Marcio Matheus, presidente do SELUR, destaca que o levantamento comprova a importância de mecanismos específicos para gerar recursos para o descarte correto dos resíduos. Os parâmetros orientam gestores públicos e privados da limpeza pública.

O gráfico abaixo, elaborado pelo SELUR e pela PwC, foi publicado pela coluna. Os tons de verde são as cidades com maior aderência à PNRS. Em vermelho estão aquelas com menor pontuação no ISLU.

Mapa ISLU