Interna

Com apoio de instituições privadas, Portugal substitui lixões por centros de reciclagem

Centros específicos para triagem de materiais e descarte adequados dos lixos são exemplo de prática mais ecológica e rentável

 

Em 1997, Portugal colocou em prática o Plano Estratégico para Resíduos Sólidos Urbanos (PERSU), que consiste em um conjunto de ações com foco na destinação do lixo para centros corretos de reciclagem. Essa iniciativa foi reforçada em 2007, com uma Portaria que reforçou suas ações para um nível nacional, incluindo também resíduos biodegradáveis.

Foi criado um sistema que visa o desvio de resíduos urbanos recicláveis, diretamente para centros específicos que separam e os encaminham para reciclagem. Esses Resíduos Urbanos, chamados de Rus, são divididos entre 23 Sistemas de Gestão de Resíduos Urbanos (SGRU). Esse  modelo eliminou mais de 300 lixões espalhados pelo país e os concentrou em 23 concessionárias que podem ser multimunicipais – que abrangem a área de dois ou mais municípios – e os intermunicipais – que são centros privados, criados mediante contrato de concessão para entidades públicas ou privadas.

Os municípios entregam para as concessionárias todos os resíduos urbanos gerados em sua área. As 23 companhias  são responsáveis por construir as centrais de processamento, triagem, reciclagem, aterros sanitários e estações de transferência. Para facilitar o trabalho, as próprias empresas contratadas disponibilizam ecopontos em vias públicas, para coleta direta de papel, vidro e embalagens de plástico e metal. Estes materiais são recolhidos pela Sociedade Ponto Verde, uma Organização Não Governamental (ONG), que as encaminha para suas respectivas parceiras.

Ao longo dos 20 anos de atividades dessas políticas de gerenciamento do lixo, Portugal demonstrou que é possível diminuir consideravelmente as quantidades de lixões em seu território e tornar o processo de reciclagem um negócio rentável. Para chegar neste patamar, foi necessária uma junção entre instituições públicas e privadas. Essa parceria, além de ser  interessante em termos de lucro, trouxe emprego e renda para uma quem dependia dos aterros para ter o seu sustento.