Cinco motivos que mostram que a Olimpíadas de 2020 é a mais sustentável da história

Medalhas, pódio, uniformes e até camas! Confira as medidas sustentáveis adotadas nesta edição dos jogos


Produção excessiva de lixo, poluição dos mares, aquecimento global, mudanças climáticas, desmatamento … são diversos os obstáculos que a humanidade enfrenta nestes últimos anos, que prejudicam nosso meio ambiente e planeta. Exatamente por este motivo, para a realização dos jogos Olímpicos de Tóquio, no Japão, foram adotadas diversas medidas para promover talvez os jogos mais sustentáveis de todos os tempos.

O pessoal do blog da Vogue Gente separou algumas ações que ganharam destaque por todo o mundo. Confira:

 

1. Medalhas feitas de lixo eletrônico

A primeira delas é que todas as medalhas foram feitas a partir de ouro, prata e bronze (neste caso, cobre e zinco) que foram extraídos de mais de 79.000 toneladas de telefones celulares usados e outros pequenos dispositivos eletrônicos doados pela população japonesa. Sim, isso mesmo: smartphones e computadores mais antigos possuem pequenas quantidades desses metais que são utilizados nas medalhas em suas placas-mães, que são a base para conectar outros itens, por exemplo.

 

2. Camas recicláveis

E não para por aí. Na Vila Olímpica, todas as camas são feitas de papelão reciclável, com colchões feitos de polietileno que serão reciclados após as Olimpíadas. A fabricante de camas Airweave está confiante de que o modelo de 2,1 metros pode suportar um peso de cerca de 200 quilos, que é mais do que qualquer peso dos atletas que participaram do Rio.

 

3. Uniformes também reciclados

Ainda antes dos jogos começarem, as práticas sustentáveis já estavam presentes inclusive nos uniformes das pessoas que participaram do revezamento da tocha olímpica. As camisetas e calças brancas usadas pelos felizardos foram feitas com garrafas de plástico recicladas coletadas pela Coca-Cola.

 

4. Pódios sustentáveis

E não para por aí, os pódios onde os atletas recebem suas medalhas também foram todos idealizados com material 100% sustentável. O pódio foi impresso em 3D e feito de lixo plástico reciclado doado e projetado por Asao Tokoro. “A filosofia subjacente era criar algo que gostaríamos de manter em vez de jogar fora como lixo”, disse Tokoro sobre o pódio, em uma entrevista ao site oficial olímpico.

 

5. Energia renovável, reciclagem e emissão de carbono

Outras iniciativas também entraram no radar dos organizadores, como usar energia renovável, reciclar o lixo gerado e zerar as emissões de carbono. Várias semanas antes do início dos Jogos, os organizadores das Olimpíadas já compraram 150 por cento dos créditos de carbono necessários para compensar as emissões de gases de efeito estufa das competições, o que significa que as Olimpíadas serão realmente “carbono negativo”.

Posts Relacionados